segunda-feira, 12 de setembro de 2011

. Souvenir .

Te deixo minha culpa, pega no laço, puxa-o
e encontra o vazio
que ecoa e já não cabe mais em mim

Fica de lembrança, meu medo calado e a dependência infantil, toma o fel desta sombra de sorriso, que um dia, nasceu só pra ti

É um regalo, guarde o embrulho, este sal secará

O eco do peito ressoa, frio e azul
Com projeções, tais pequenas caixas de barro, eu forro este mesmo peito que foi tua morada e que inundamos por tantas vezes

Tens a chave, guarda a cópia, não é presente
é teu.


Um comentário:

Sandra Regina de Souza disse...

Lembrança pra guardar até juntar traça... daquele amor que não passa... (Saudade dos teus escritos!!!) bj